Sinto saudade do que não sou,





Sinto saudade do que não sou,
O que vês é nada, esqueci
O pensar como fosse palha
Ao vento, como vês deixei
De ser outro pra tornar ao nada
Que sempre fui, esqueci por
Momentos que o nada basta
E sempre fui e serei o quanto 
Sinto saudade de quem sou
Normalmente, um nada eu todo
Um todo-nada eu, nem mais 
Nem menos que um morto-vivo
Sempre, o plural de nada ou
A definição nítida de um vazio qualquer,
Sem expressão, quanto à minha vista
Lei ou justiça, quem dera não ser
Nem formar sombra na rua
Em redor do rosto banal, estúpido
Embrulho de um insatisfeito,
Sinto saudade da realidade
Construída a brincar, do brilhar
Dos pastos lá fora quando há lua,
Para quê pensar se a forma é humana
Que o espelho tem, vulgar
Quanto a justiça e a lei, importância
Nenhuma pois ainda não sou 
Ideia absoluta baseada no que creio
Ser, sou a noção que alguém teve d’mim
Outrora e antes e em mim mora rente,
E eu esse sou, sinto.

Sem comentários:

tradutor

center>

Arquivo do blogue